Como exigir seus direitos após contratar um plano de saúde

By | março 23, 2015

exigir seus direitos após contratar um plano de saúde

Para obter qualquer serviço de qualidade é necessário que reivindiquemos o que nos foi garantido durante a contratação do produto. Porém, muitas vezes as pessoas não sabem quais os canais próprios para reclamar, e por isso às vezes deixam de exercer essa obrigação de todo consumidor. O objetivo desse artigo é informar você, beneficiário de assistência médica, como exigir seus direitos após contratar um plano de saúde. A primeira coisa a se fazer é entender quais os melhores meios para declarar suas insatisfações, e conseguir acabar com elas.

Os canais para exigir seus direitos após contratar um plano de saúde

Primeiramente, se você contratou um serviço de assistência médica, tem obrigação de conhecer a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão que supervisiona a atividade das operadoras e, além disso, atende a reclamações dos beneficiários das empresas que se sentem lesados por conta de alguma deficiência em seu plano, como por exemplo, demora na demora para a liberação de procedimentos. Além desse problema, muitos outros podem ser dirigidos à ANS através do Disque ANS, no número 0800 7019656, pelo portal da agência, enviando uma carta ou indo até um de seus endereços. Quando um plano tem muitas irregularidades, a ANS tem o poder de efetuar o cancelamento do mesmo, como faz todos os anos.

Outro órgão é a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor, mais conhecido como PROCON, que normalmente é mais buscado em relação a reclamação sobre serviços. Se você deseja exigir seus direitos após contratar um plano de saúde por  ele, é possível fazê-lo através do telefone ou indo pessoalmente até o núcleo de atendimento mais próximo de você ou através da plataforma digital no portal do PROCON.

Independentemente de como, ou por onde for feita a reclamação, é importantíssimo que você guarde qualquer tipo de documentação que sirva de comprovação do procedimento no caso da necessidade de consultas de caso.

Deixe um comentário