Conheça os tipos de portabilidade de carência

By | fevereiro 26, 2015

Quando sua operadora não oferece os serviços prometidos ou o plano contratado é cancelado por algum motivo, os consumidores podem ficar na dúvida: será que vou ter de cumprir toda a carência novamente? E a resposta é não.  É possível migrar os prazos cumpridos de um plano para outro e até mesmo para outra empresa. A portabilidade é um direito de todos usuários. Entenda melhor sobre os tipos de portabilidade de carência.

Carência

Primeiramente, uma breve explicação sobre carência para você que não ainda não entende muito bem: nada mais é do que um período a ser cumprido pelo beneficiário para que possa usufruir de todos os procedimentos oferecidos pelo plano contratado. São definidos prazos máximos para estes períodos, que não podem ser ultrapassados em nenhuma ocasião. Quanto às portabilidades, existem vários casos:

tipos de portabilidade carência

Portabilidade Normal

Quando o beneficiário decide que quer trocar de plano ou operadora sem motivos maiores. Ele só deverá verificar o requisitos impostos pela ANS para que seja feita essa portabilidade.

Portabilidade Especial

Está entre os tipos de portabilidade de carência a especial. Esta pode ser feita por três motivos: cancelamento pela ANS ou falência do plano do beneficiário; para dependentes, no caso de falecimento do titular ou falta de condição para permanecer no plano; ou para ex funcionário demitido ou exonerado sem justa causa, e aposentados enquanto estava sendo feita a manutenção da condição do beneficiário. Em todos os casos, há o prazo máximo de 60 dias depois de cada condição para solicitar a portabilidade.

Portabilidade extraordinária

É possível quando nenhum dos planos do mercado é compatível com o de origem. A troca de planos pode ser feita também em até 60 dias.

Outros tipos de portabilidade de carência

Migração: é quando você deseja mudar de plano (Individual/familiar ou coletivo por adesão) na mesma operadora, mas somente se o de origem tiver sido contratado até  1º de janeiro de 1999.

Adaptação: É parecida com o item acima, porém, nesse caso é possível que o beneficiário adicione apenas os benefícios que quiser, que sejam garantidos pela Lei nº 9.656 de 1998, tendo assim um aumento menor na sua prestação.

 

Deixe uma resposta